Dicas, cursos, tutoriais, artigos, análises e críticas relacionadas a todo universo DJ

Uncreative place

www.uncreativeplace.com.br

Um espaço com visual e conteúdo jovem

Após alguns anos escrevendo como colaboradora para alguns blogs, Bianca Caroline, uma jovem estudante apaixonada por livros, filmes, séries, músicas e várias outras artes, resolveu criar seu próprio espaço na grande rede e em Agosto de 2016 começou a disponibilizar artigos, análises, críticas e indicações de arte em geral.

A aviação, a arte dos DJs e o desenvolvimento de habilidades

A aviação, a arte dos DJs e o desenvolvimento de habilidades

A aviação, a arte e ciência dos DJs e várias outras atividades são análogas quanto a aprendizado e desenvolvimento de habilidades mentais, sensoriais e físicas

Muitas atividades, inclusive a de DJ, deveriam aprender com atividades como a aviação, que quanto ao aprendizado, treinamento e desenvolvimento de habilidades mentais, sensoriais e físicas são muito análogas. Na realidade a grande diferença entre as atividades de DJ e a de piloto está no nível de stress e riscos gerados pela aviação, ou seja, a diferença está no fato de que a aviação oferece muitos riscos; sendo mais explícito, pode matar pessoas tanto dentro quanto fora da aeronave e a de DJ na pior das hipóteses matará o público de raiva se não mandar bem. Em outras palavras para não dar margem a controvérsias, a atividade de DJ e a de piloto, tecnicamente, têm o mesmo nível de complexidade quanto ao aprendizado e desenvolvimento de habilidades, porém a atividade de DJ não oferece os riscos, tipo e nível de stress gerado em algumas situações da aviação.

Para que a necessidade de cursos longos e estágio?
Veja o exemplo da aviação – uma atividade de alto risco.

Na aviação, uma atividade que coloca pessoas em risco, tanto os passageiros, tripulantes, quanto pessoas em solo, a ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), órgão do governo responsável pela emissão do brevê, exige que o candidato tenha no mínimo 35 horas de voo realizadas em escola homologada pelo órgão para tirar a licença / brevê categoria PP (Piloto Privado). Durante o aprendizado, dependendo do rendimento / aproveitamento, maturidade, nível de bom senso, raciocínio lógico, habilidades bases essenciais, habilidades específicas já trabalhadas, dentre outros fatores ligados ao aluno, aproximadamente na 20ª. hora de treinamento prático ele pode ser liberado, e receber autorização do instrutor para efetuar o seu primeiro voo “solo” – momento importante e de grande alegria para o aluno e também para o instrutor que realmente gosta de ensinar.
Já para quem quer atuar comercialmente, para receber habilitação da categoria PC (Piloto Comercial) são necessárias 150 horas. Para somar estas 150 horas são consideradas as 35 horas ou mais feitas para a PP e as horas de voo faltantes devem também ser feitas em escolas homologadas. Algumas das horas faltantes, para se atingir as 150, podem ser feitas em simuladores de voo homologados pela ANAC. Se a pessoa não quiser pagar para fazer as horas adicionais a PP em aeroclube homologado para adquirir o brevê PC, terá que ter no mínimo 200 horas, sendo as do PP e o restante em aeronave particular.
Um piloto PC com 150/200 horas de voo está tecnicamente apto a pilotar aviões multimotores tipo Bombardier Global 8000, Challenger 850 e outras aeronaves extremamente modernas com recursos e tecnologias de navegação e pilotagem existentes em grandes aeronaves. A única coisa que terá que fazer é um pequeno e rápido curso complementar quanto a classe da aeronave para se adaptar aos tipos de instrumentos e controles da mesma, o que é normal pois dependendo do tipo e diferenças entre as aeronaves esta “atualização” é necessária.
Devido ao alto nível de responsabilidade com passageiros, fator mais importante, e aeronaves caras, fator também importante porém menor que a vida dos passageiros e tripulantes, para se tornar piloto PLA (Piloto Linhas Aéreas) é necessário ter pelo menos 1500 horas de voo. Destas 1500 horas, algumas têm que ser atuando como piloto / comandante, e outras podem ser como copiloto; algumas poucas podem ser em simulador homologado, entre outras possibilidades. Para ter um ideia, em tese, um piloto com brevê PP (Piloto Privado) também pode se especializar na categoria e pilotar um Boeing 747, desde que de forma privada, não comercial, e obviamente não linhas aéreas.

Cursos modulares – a melhor opção para muitas atividades

Mais bem direcionados, objetivos e eficientes.
Cada um foca, se especializa no que quer / gosta, e quando quiser ou achar necessário.

Assim como em direito, medicina, DJ e várias outras atividades, a de piloto também possui várias especialidades / categorias e a maioria dos cursos são divididos em módulos específicos base e complementares independentes. Isso permite que cada piloto invista tempo e dinheiro de forma objetiva na especialidade que julgar necessária ou deseja atuar. Conceito similar da habilitação para condução de veículos terrestres motorizados (CNH) e aquáticos. No Brasil existem cinco categorias de motoristas classificadas de A a E. Por isso as cargas horárias de aprendizado e desenvolvimento de habilidade de piloto e outras atividades variam. No caso do piloto depende de algumas especialidades técnicas, principalmente quanto a tipos de instrumentos, condições climáticas, período do dia (diurno ou noturno) e categorias / tipos de aeronaves que o indivíduo pretende dominar. Se for o desejo e ou necessidade de fazer um curso completo, integral, e aprender até o que não pretende usar, poderá optar por cursos com este perfil, inclusive formal de nível superior.
Na atividade de piloto e em muitas outras, muitos conhecimentos são puramente teóricos e são adquiridos através do estudos de livros, apostilas e vídeos, sem a necessidade de cursos presenciais. Em alguns casos requer que o piloto faça apenas provas para atualizar / “upgradear” seu brevê / licença de piloto. Em algumas especialidades grande parte, ou mesmo todo o estudo, pode ser feito onde quiser e os exames prestados quando desejar.
O formato modular de treinamento / curso é muito inteligente e se encaixa bem em muitos tipos de atividades. Este conceito gera aprendizado específico, direcionado, objetivo para as necessidades e ou objetivos de cada um, e consequentemente maximiza o aprendizado e desenvolvimento de habilidades, e minimiza os custos e perda de tempo com cursos longos, que na maioria dos casos geram conhecimentos, no momento “supérfluos”, para o indivíduo. O mesmo conceito pode e deve ser aplicado a atividade DJ, já que esta atividade é muito análoga a atividade de piloto de aeronave.

O tempo de aprendizado é relativo não absoluto

O tempo de aprendizado e de desenvolvimento de habilidades de praticamente qualquer atividade varia de aluno para aluno de acordo com o nível de dedicação e das habilidades bases essenciais de cada atividade. Com isso, obviamente alguns podem levar muito menos e outros muito mais tempo que o exigido pela ANAC para adquirir o conhecimento, aprender e desenvolver as habilidades mentais, sensoriais e físicas específicas. Este fato ocorre com qualquer atividade que requer desenvolvimento de habilidades específicas – do motorista, piloto, aos DJs e algumas especialidades médicas.
Além disso o tempo de aprendizado, o desempenho, a qualidade e a eficiência dos alunos depende da qualidade e eficiência do curso, do instrutor e do material didático com conteúdo complementar. Em muitos casos depende também dos estudos e treinamentos complementares informais, como autodidata, por conta do próprio indivíduo para maximizar seus conhecimentos e habilidades.

A carga horária de curso em cada atividade

O curso de cada atividade, depende do volume de informação e da quantidade de habilidades mentais, físicas, sensoriais e emocionais a serem desenvolvidas e ou trabalhadas. Quanto ao conhecimento teórico para maximizar o aprendizado e minimizar custos, grande parte ou todo, dependendo da atividade, pode ser adquirido em apostilas, livros e hoje em dia até através de vídeos e outros recursos na internet.
Já o desenvolvimento de habilidades específicas base essenciais (estudo prático) deve ser presencial, orquestrado / dirigido e monitorado por instrutor verdadeiramente experiente e especializado em ensino, treinamento e desenvolvimento de habilidades, promovido em escolas / laboratórios apropriados, e dependendo do nível de periculosidade e riscos gerados pela atividade, deve ser feito em escolas credenciadas homologadas.
Em muitos casos, principalmente os que colocam vidas / saúde em risco, para se ter um controle técnico profissional, a avaliação e emissão da certificação / documento / carteira de habilitação para atuação deve ser feita por um órgão governamental ou homologado pelo mesmo para tal, como dito acima.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Validação *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Siga-nos
Link to my Facebook Page
Link to my Rss Page
Link to my Youtube Page