Dicas, cursos, tutoriais, artigos, análises e críticas relacionadas a todo universo DJ

Uncreative place

www.uncreativeplace.com.br

Um espaço com visual e conteúdo jovem

Após alguns anos escrevendo como colaboradora para alguns blogs, Bianca Caroline, uma jovem estudante apaixonada por livros, filmes, séries, músicas e várias outras artes, resolveu criar seu próprio espaço na grande rede e em Agosto de 2016 começou a disponibilizar artigos, análises, críticas e indicações de arte em geral.

Os DJs, a “personalidade” / sonoridade musical e o controle de público

Os DJs, a "personalidade" / sonoridade musical e o controle de público

Quase todos os DJs falam sobre controle e domínio de pista / público, mas será que todos sabem ler e interpretar a música e a reação do público?

Muitos DJs, principalmente os com poucos anos de experiência, mas também os muito consagrados / renomados que relaxam, mixam com total perfeição técnica, encaixes de tempo, compasso e frase e cortes impecáveis, principalmente com auxílio de técnicas que disfarçam pequenos “erros”. Mas devido à falta de estudos quanto a certas características sonoras da música, e principalmente que formam sua personalidade (da música), e falta de estudos e conhecimento quanto ao perfil e / ou comportamento humano, não contagiam, não empolgam a pista / público, ou seja, não sabem trabalhar de forma estratégica o emocional das pessoas / público. Somente alguns poucos DJs, menos de 10%, após anos quebrando a cabeça na tentativa e erro, sem estudos e análises técnicas, aprendem a dominar realmente o público através da música. Na realidade não exercem a principal função de um DJ, que é divertir as pessoas através da administração do seu conhecimento técnico, cultural e emocional. Muitos acham que o público está se divertindo, por não saber ler o comportamento e a expressão das pessoas, ou simplesmente por não prestar atenção no mesmo, para saber se estão apenas movimentando o corpo (“por obrigação”), ou se a música está tocando internamente, se estão realmente alegres, felizes, dançando também por dentro com a alma, por satisfação. Muitos DJs tocam de 02 a 04 horas e não observam / percebem que a música não está atuando na mente, no subconsciente e trabalhando a animação do público.

Em resumo, muitos DJs, até renomados, consagrados e “experientes”, fazem mixagens impecáveis, mas erram na estratégia de manipulação emocional de público.

Além da falta de estudos e conhecimento da “personalidade” musical, algumas vezes, este problema ocorre por DJs se sujeitarem a tocar para públicos incompatíveis com sua especialidade musical o que minimiza o controle da pista / público.

O estudo e compreensão de algumas das principais características sonoras musicais que contribuem na formação da “personalidade” de cada música, permite traçar e / ou mudar a estratégia de manipulação de púbico de acordo com o comportamento / reação do mesmo e claro, dentro da especialidade musical (gênero, ritmo e / ou estilo) do DJ.

Os DJs, o comportamento, personalidade, controle e domínio de pista / público / evento

O trabalho de manipulação emocional estratégico pode não funcionar se o público não for compatível com a especialidade musical do DJ, portanto só é possível traçar uma estratégia precisa quanto à personalidade musical e comportamento da “pista”, se o público, DJs e evento / casa “noturna” forem compatíveis, o que depende muito do bom senso, coerência, visão comercial e também da compatibilidade dos promoters, produtores e / ou empresários.  Para ser eficaz, o uso da sonoridade / personalidade musical para manipulação de público deve ser promovido dentro da especialidade musical. Ou o DJ toca em eventos / ”casas” com públicos bem direcionados, de um ou dois ritmos próximos, ou se especializa e vira estrategista extremamente flexível quanto a pelo menos alguns ou a vários gêneros, ritmos e estilos, próximos ou distintos.

É fácil um DJ bom de verdade especializado em diversos ritmos traçar estratégia de manipulação emocional para públicos totalmente ecléticos, sem limitações quanto a gêneros, ritmos e estilos. Da mesma forma, é fácil para um DJ bom de verdade, especializado em um único ritmo ou estilo traçar a estratégia de manipulação emocional para um público direcionado, voltado para sua especialidade musical (ritmo ou estilo). Já para um DJ eclético com cultura, conhecimento musical amplo, traçar estratégia para um público que curte somente um ou dois ritmos é muito mais complicado e vice-versa.

Em outras palavras, cada DJ deve buscar atuar para o público que tem a ver com sua especialidade, seja ela direcionada a um ou dois ritmos ou extremamente eclética.

Pista cheia não é mais sinônimo de DJ bom. Para caracterizar um DJ bom de verdade ele deve ter um bom controle emocional de público, ou seja, em seu set / seqüência a maioria das pessoas na pista devem dançar com real expressão de alegria e felicidade e não somente movimentar o corpo por obrigação. Para isso o DJ deve saber / aprender a ler, interpretar o comportamento, a expressão do público e também saber ou aprender a ler e interpretar a música quanto a diversas características sonoras.

RGT:2009

Um comentário para Os DJs, a “personalidade” / sonoridade musical e o controle de público

  • Muito obrigado pelas dicas.  Estou me tornando um DJ estrategista flexível!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Validação *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Siga-nos
Link to my Facebook Page
Link to my Rss Page
Link to my Youtube Page

Quanto aos anúncios

Ao clicar no anúncio, possivelmente sairá de nossa página. Se pretende permanecer no artigo / site deve clicar no anúncio com o botão direito do mouse e selecionar abrir em nova aba / guia ou janela.

 

Atenção

Não nos responsabilizamos pela qualidade dos produtos e serviços anunciados. Os anúncios são selecionados e divulgados automaticamente pelo mecanismo do Google Adsence de acordo com sua navegação e vários outros fatores / critérios. Não temos nenhuma ligação com os fornecedores / prestadores de serviços.