Dicas, cursos, tutoriais, artigos, análises e críticas relacionadas a todo universo DJ

Uncreative place

www.uncreativeplace.com.br

Um espaço com visual e conteúdo jovem

Após alguns anos escrevendo como colaboradora para alguns blogs, Bianca Caroline, uma jovem estudante apaixonada por livros, filmes, séries, músicas e várias outras artes, resolveu criar seu próprio espaço na grande rede e em Agosto de 2016 começou a disponibilizar artigos, análises, críticas e indicações de arte em geral.

A cultura / história da música eletrônica é importante para os DJs?

A cultura / história da música eletrônica é importante para os DJs?

Por diversos motivos é muito difícil abordar a história da “música eletrônica”, da dance music. Há muita controvérsia sobre o assunto principalmente devido ao fato de ainda não ter sido feito um trabalho / estudo / mapeamento sério, bem fundamentado quanto à “genealogia”, um estudo musicológico da “música eletrônica” / da dance music. Para quem não sabe, segundo o Wikipedia (pt.wikipedia.org/wiki/Etnografia) etnomusicologia, também conhecida como antropologia da música, ou mais propriamente etnografia da música, é a ciência que tem como objetivo o estudo da música em seu contexto cultural. Em outras palavras, estuda a música por uma ótica cultural (como cultura).

Infelizmente a maioria dos materiais encontrados sobre o assunto são partidários / parciais, feitos sem a participação de um comitê verdadeiramente especializado, realmente bem preparado e imparcial. Existem muitos materiais interessantes na internet, mesmo não fundamentados, onde alguns DJs, inclusive renomados, técnica e ou profissionalmente maduros ou não, se baseiam, no entanto quem quer ter algum conhecimento sobre o assunto, até que surjam materiais bem fundamentados em estudos sérios, deve pesquisar, estudar e tirar suas próprias conclusões. Apesar de contribuir com o amadurecimento técnico, o estudo da música quanto a genealogia, etimologia, ou seja, cultura musical, não influencia no processo de aprendizado técnico, nem no desenvolvimento das habilidades necessárias a atividade DJ, e também não afeta de forma relevante / significante e direta as técnicas e habilidades dos DJs na aplicação prática profissional. A comprovação disso é o fato de a grande maioria dos DJs, inclusive bons de verdade que comandam pistas / eventos em todo o mundo de forma esplêndida, não conhecerem a história, a genealogia; alguns nem mesmo dos ritmos de sua especialidade, muito menos de toda a música eletrônica / dance music. Com isso podemos dizer que não há necessidade de perder tempo em cursos longos onde parte do tempo é dedicada a assuntos teóricos, muitas vezes partidários, que podem ser aprendidos em pouco tempo e até de graça através de uma boa pesquisa. Tendo as principais habilidades / habilidades bases e dominando as principais técnicas, o aspirante ou DJ iniciante poderá dedicar algumas horas em estudos e pesquisas sobre o assunto, imprimir em papel ou PDF, armazenar em seu tablet e estudar onde quiser. Assim poderá aproveitar melhor as aulas práticas dirigidas e monitoradas em estúdio, de um curso verdadeiramente bem elaborado e mais objetivo. Alguns cursos abordam este e outros assuntos que não necessitam de aulas presenciais práticas, dirigidas e monitoradas, pois estão ligados apenas aos conhecimentos e cultura e não as habilidades. Além disso, sendo redundante, este e vários outros assuntos podem ser aprendidos gratuitamente e rapidamente na internet através de uma boa pesquisa. Portanto, este tipo de aula em estúdio é praticamente desnecessária. Mas esta prática é comum principalmente em cursos que não trabalham / desenvolvem / aperfeiçoam de forma adequada as habilidades mentais e sensoriais auditivas fundamentais dos DJs nos aspirantes. Em outras palavras, para “mostrar serviço” e iludir / atrair clientes, muitos instrutores / cursos enchem linguiça com estes e outros assuntos por não saber o que mais ensinar e trabalhar nos alunos. Muitos têm também o objetivo de tornar o curso mais longo e consequentemente mais caro com esta prática. Caso realmente esteja interessado em entender a história da música eletrônica, de seus ritmos estilos / vertentes, acesse o site http://techno.org/electronic-music-guide/. Apesar de não ser oficial e fundamentado, é um dos que achei mais interessantes. Infelizmente para muitos o site é em inglês, mas com um pouco de esforço e dedicação dá para minimizar este problema. Se não dominar o idioma marque o texto clicando no quadro descritivo, pressione Ctrl+A, copie com Ctrl+C, vá até o tradutor do Google (https://translate.google.com.br/) cole no campo de tradução com Ctrl+V, escolha de inglês para português, clique em traduzir, e pronto – é só ler. A tradução é meia esquisita, mas se tiver paciência, boa interpretação e bom senso poderá entender boa parte do material. Se preferir, pesquise no Google ou outro mecanismo de busca de sua preferência a frase: “história da música eletrônica” (sem as aspas, claro!). Não abra só os links da primeira página pois, ao contrário do que a maioria imagina, existem muitos materiais excelentes em outras páginas também. O fato de determinado site / material estar na primeira página não significa que ele seja o melhor. Acesse também os links: http://pt.wikipedia.org/wiki/Música_eletrônica http://pt.wikipedia.org/wiki/House_music e pesquise outros no http://pt.wikipedia.org/ e http://www.google.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Validação *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Link to my Facebook Page
Link to my Youtube Page

Quanto aos anúncios

Ao clicar no anúncio, possivelmente sairá de nossa página. Se pretende permanecer no artigo / site deve clicar no anúncio com o botão direito do mouse e selecionar abrir em nova aba / guia ou janela.

 

Atenção

Não nos responsabilizamos pela qualidade dos produtos e serviços anunciados. Os anúncios são selecionados e divulgados automaticamente pelo mecanismo do Google Adsence de acordo com sua navegação e vários outros fatores / critérios. Não temos nenhuma ligação com os fornecedores / prestadores de serviços.