Dicas, cursos, tutoriais, artigos, análises e críticas relacionadas a todo universo DJ

Uncreative place

www.uncreativeplace.com.br

Um espaço com visual e conteúdo jovem

Após alguns anos escrevendo como colaboradora para alguns blogs, Bianca Caroline, uma jovem estudante apaixonada por livros, filmes, séries, músicas e várias outras artes, resolveu criar seu próprio espaço na grande rede e em Agosto de 2016 começou a disponibilizar artigos, análises, críticas e indicações de arte em geral.

Preço justo de produtos, equipamentos, softwares / programas e serviços de / para DJs

preco_equilibrado_equipamentos_para_DJs

Para não incentivar e patrocinar a injustiça comercial, um produto deve ter um preço compatível com sua qualidade, ser justo para ambas as partes, sem exageros e margem de lucros exorbitantes. Caro e barato são relativos à qualidade e eficiência, resultados oferecidos / gerados pelos produtos. Em muitos casos não é o mais barato nem o mais caro que é o melhor. O bom não tem que ser caro e nem o barato tem que ser ruim.

É necessário que o mercado tenha produtos com mais recursos diferenciados, de maior porte e versão econômica limitada com menos recursos, classificados e subdivididos corretamente em categoria / módulos com preços e margens de lucro proporcionais e justas. Como disse, deve existir o produto diferenciado, mais econômico para satisfazer as necessidades de públicos com menor poder aquisitivo, porém isso não significa que o produto deve ser ruim, e sim que alguns devem ser menos sofisticados.

O produto deve ter preço justo e compatível com sua qualidade e eficiência. Quando digo preços justos e compatíveis com o produto, significa que o preço deve ser calculado em cima do investimento, e com bom senso e coerência se acrescenta a margem de lucro, justa para ambos, indústria e o cliente / consumidor final. Apesar de ser o correto, e o que deveria ser feito, infelizmente muitas vezes não é assim que funciona. Muitos produtos têm margem de lucro extremamente alta, tornando o produto demasiadamente caro, injusto para a maioria do que deveria ser o público alvo. Muitas vezes estas gananciosas margens de lucro obrigam o mercado a adquirir produtos de baixa qualidade e ou piratas.

Um produto tem que dar lucro. O lucro é justo e necessário para que a empresa continue produzindo, desenvolvendo e ou aperfeiçoando, porém como já disse e enfatizo este lucro não precisa ser exorbitante. Deve ser compatível com o que a empresa investiu no desenvolvimento e ou produção. E o preço final deve ser justo e compatível custo – benefício para o cliente.

 

 

Exemplo ilustrativo do barato que se torna caro e vice-versa

Apresentarei dois exemplos. Um abstrato onde o produto é conhecimento e habilidade e o outro físico. Os exemplos são fictícios, mas se encaixam em diversos casos, atividades e ou necessidades. Entendendo ambos, poderá avaliar qualquer produto que queira comprar, seja um serviço, “abstrato”, ou um produto físico, palpável. Nos exemplos usarei o nome “dinheiros” para simbolizar uma moeda fictícia.

 

Exemplo 1: Imagine um equipamento de som que custe 400,00 dinheiros e que além de baixa qualidade de som, dure aproximadamente dois anos, e outro que custe 600,00 dinheiros, tem qualidade de som duas vezes melhor e dure aproximadamente quatro anos. Neste caso quem é o mais barato? Fácil né! Neste caso a possibilidade é de mais de 90% do barato sair caro.

 

Exemplo 2: Imagine que a escola Info-Zé oferece um curso de Corel Draw ou Photoshop (computação gráfica) que custe 500,00 dinheiros. Durante o curso, nas aulas práticas há um computador para cinco alunos em uma turma de dez alunos, sem material didático para estudos e consultas, carga horária total de 20 horas (em grupo). Lembrando que no fim do curso cada aluno terá tido aproximadamente quatro horas de prática. Já a escola Tecno-mané oferece curso do mesmo assunto por 1.000,00 dinheiros, porém personalizado, consequentemente individual, com carga horária de 10 horas, instrutor extremamente capacitado para ministrar tal curso, monitoramento e avaliação em tempo real, com material didático de boa qualidade para estudo e consulta, entre outros, que se somados, maximizam o aprendizado e habilidades do aluno em no mínimo seis vezes em comparação com o curso da Info-Zé. Qual é o mais barato? O curso da Tecno-mané que gera no mínimo seis vezes mais conhecimento e habilidade pelo dobro do preço, ou o da Info-Zé que tem menor preço, mas necessitaria fazê-lo no mínimo quatro vezes, ou mesmo fazer outros cursos para obter o mesmo resultado gerado pela Tecno-mané?

Alguns produtos podem ser fracionados / divididos, o que normalmente gera sensação de ser mais barato, mesmo sendo mais caro ou tenha o mesmo preço. Para exemplificar podemos pegar o caso dos cursos de informática acima. Uma terceira escola a Jeca-computer oferece basicamente o mesmo pacote com a mesma qualidade e recursos da Tecno-mané, mas dividido em quatro etapas / módulos separados, classificados de introdução, básico, médio e avançado, custando 250,00 dinheiros cada módulo, o que dá na mesma em relação a custo X beneficio desde que se façam todos os módulos. Porém é bom lembrar que alguns dividem o produto, mas cada módulo é mais caro, e a soma dos valores de todos torna o produto completo mais caro. Com estes exemplos podem-se fazer diversas combinações de cursos / valores e qualidade / eficiência para ter o custo x beneficio real do produto que quer adquirir.

 

 

Exemplos de algumas possibilidades custo x benefício com breve explicação.

– Ser barato e sair caro

Ter preço baixo, mas a qualidade / eficiência ser incompatível, muito inferior ao que realmente poderia ser. Outra situação que o barato pode sair muito caro é comprar um produto realmente bom, mas inadequado às suas necessidades e objetivos, sendo obrigado a ”engolir” o produto ou caso seja vendável, ser obrigado a vendê-lo, muitas vezes por preço abaixo do que pagou para comprar o que realmente é adequado às suas necessidades.

 

– Ser caro e se tornar muito caro

Um produto ser bom, mas ter valor muito acima do que realmente vale. Mesmo sendo bom e de alta qualidade / eficiência não justifica o altíssimo preço. Normalmente ocorre devido às margens de lucro exorbitantes e ou falta de visão comercial. Outro caso comum, é ser um produto caro e quando apresenta problema ter dificuldade em consertar, encontrar mão de obra especializada e peças de reposição ou estas serem muito caras, devido à falta de suporte do fabricante.

 

– Ser caro e se tornar barato

Ter valor maior, mais alto, mas ter qualidade, eficiência, bom suporte técnico, mão de obra e peças de reposição fáceis de serem encontradas e com preço justo, o que torna o produto barato, justificando o preço.

 

– Ser barato e se tornar muito barato

Produto que tem excelente qualidade, acima da média do mercado e preço abaixo do que poderia. Normalmente ocorre em promoções.

 

– Ser compatível e justo em relação a custo X benefício

Tem preço compatível, proporcional à qualidade e eficiência do produto, não sendo caro e nem barato, cobrindo com uma margem de lucro justa, os custos de desenvolvimento, produção e ou aplicação.

 

Estas são apenas algumas possibilidades de combinações entre custo e beneficio que mostram se o produto é realmente barato, caro ou justo. Existem outras situações e possibilidades que são relativas uma série de fatores e variáveis. Poderá analisar o produto desejado por diversos ângulos, como disse em outro texto do especial, e tirar suas conclusões.

 

Vs.: 1.0(2009)

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Validação *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Link to my Facebook Page
Link to my Youtube Page