Dicas, cursos, tutoriais, artigos, análises e críticas relacionadas a todo universo DJ

Uncreative place

www.uncreativeplace.com.br

Um espaço com visual e conteúdo jovem

Após alguns anos escrevendo como colaboradora para alguns blogs, Bianca Caroline, uma jovem estudante apaixonada por livros, filmes, séries, músicas e várias outras artes, resolveu criar seu próprio espaço na grande rede e em Agosto de 2016 começou a disponibilizar artigos, análises, críticas e indicações de arte em geral.

A reconversão do MP3 e a perda de qualidade

mp3

A edição, a conversão da conversão e a perda de qualidade do MP3

Muitos têm o falso conceito de que converter / recompactar uma música de uma resolução, Bit Rate e / ou Sample Rate, de menor para outra maior, ou até mesmo mudar de formato (converter de MP3 para WAV) vai melhorar a qualidade. Dependendo da conversão, a perda pode ser imperceptível ou significante / de fácil percepção. Devido ao processo de análise, processamento e recompactação, normalmente perde-se qualidade apesar desta perda ser relativamente pequena. Dependendo das características quanto à qualidade da música que será a fonte e da configuração do codec que gerará o novo arquivo, poderá ser uma perda praticamente imperceptível auditivamente,mas ainda assim, a perda será certa.

Conversão da conversão e perda de qualidade do MP3

Quanto mais conversões em série, ou seja, sucessivas conversão da conversão, maior será a perda de qualidade. Para entender esse processo, posso fazer uma analogia com a cópia de documentos de papel em preto e branco. Imagine que tenha um documento texto original, uma página de um livro, por exemplo, e tire uma cópia. Esta cópia terá uma pequena perda, podendo ser até imperceptível se comparada com a original, porém a cópia da cópia, da cópia, terá uma perda mais significante de qualidade que poderá ser facilmente notada se comparada com a fonte primária, ou seja, a original.

Edição de MP3 e perda de qualidade

Evite ao máximo ter que promover edição ou conversão de formato e / ou recompactação. A recompactação até mesmo para o mesmo formato gera perda. Caso haja necessidade, procure fazer o mínimo de regravação / recompactação possível. Em outras palavras, evite editar MP3. O melhor é converter para um formato mais apropriado para edição como o WAV – principalmente com Bit Rate e ou Sample Rate maiores onde a perda é menor – promover as edições, e após finalizar o projeto, remasterizar em MP3.

Saiba que copiar o arquivo de MP3 não gera perda como o exemplo da cópia de documentos em papel, mas a recompactação do processo de conversão e / ou outro tipo de edição, gera perda de qualidade, sim. Saiba inclusive que muitos tipos de edição, conversão e / ou regravação em quase todos os formatos de áudio, vídeo e imagem digital geram perdas, mesmo que mínimas / imperceptíveis. Em outra oportunidade poderei esclarecer este processo de forma técnica.

Para se trabalhar com áudio, assim como muitas outras coisas, é necessário ter um bom conhecimento sobre o assunto, ser racional, lógico e coerente para entender o processo e cometer o mínimo de erro possível. Para entender melhor o MP3 e não se escorar em mitos, falsos conceitos e ideias antiquadas, consulte outros documentos sobre este assunto em nosso site.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Validação *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Link to my Facebook Page
Link to my Youtube Page