Dicas, cursos, tutoriais, artigos, análises e críticas relacionadas a todo universo DJ

Uncreative place

www.uncreativeplace.com.br

Um espaço com visual e conteúdo jovem

Após alguns anos escrevendo como colaboradora para alguns blogs, Bianca Caroline, uma jovem estudante apaixonada por livros, filmes, séries, músicas e várias outras artes, resolveu criar seu próprio espaço na grande rede e em Agosto de 2016 começou a disponibilizar artigos, análises, críticas e indicações de arte em geral.

O formato ideal do MP3 para uso na atividade DJ

O_formato_ideal_do_MP3_para_uso_na_atividade_DJVários parâmetros devem ser levados em consideração quanto ao MP3 para uso na atividade DJ, seja profissional ou por hobby. Um deles é o Bit Rate que pode ser CBR (Constante Bit Rate) – o mais adequado – e o VBR (Variável Bit Rate), um formato muito “rejeitado” pela maioria dos players convencionais profissionais para DJs, inclusive os atuais. Já quanto a taxa de bits, 128 é a mínima aceitável em relação à qualidade. Porém devido a alguns fatores relacionados aos CODECs dos players convencionais, sem exageros, para boa qualidade e compatibilidade com praticamente todos os equipamentos, o melhor é 192 no formato CBR e com sample rate de 44.100hz. Em relação aos players convencionais para DJs, se o que utiliza suportar, ou seja, for compatível, recomendo 256Kbps. Alguns equipamentos para DJs não suportam sample rate diferente de 44.100hz, principalmente os relativamente mais antigos. Em relação aos softwares para DJs, não se preocupe quanto a compatibilidade, pois eles rodam praticamente qualquer formato de MP3 – do pior ao melhor – inclusive VBR sem limitações. Saiba que quanto maior o Bit Rate e o Sample Rate melhor será a qualidade sonora da música, porém não precisa exagerar, pois não depende só do formato do arquivo de MP3 – há outros fatores relacionados, principalmente equipamentos, players, mixers e outros. Os problemas relacionados à qualidade sonora, os quais muitas vezes o MP3 leva culpa, estão ligados ao DSP (Digital Sinal Processor – Processador de Sinal Digital), decodificador (DAC – Digital to Analogic Converter), algoritmo e outros dos equipamentos.

Converter de um formato muito alto, com qualidade exagerada como de 320, para um formato menor como 192 é útil apenas em casos especiais, como por exemplo, para gerar compatibilidade com equipamento que não aceita o formato. Lembre-se que há perda, porém se a fonte for realmente boa, a perda pode ser imperceptível aos ouvidos do público. Ao contrário do que muitos pensam e pregam 128Kbps não é tão ruim a ponto de se perceber. Até 128 kbps se tem graves, médios e agudos aceitáveis desde que o equipamento seja bom, tenha um bom DSP, DAC e algoritmo. Abaixo de 128kbps a perda de qualidade, principalmente em relação aos agudos é nítida, de fácil percepção até para leigos.

Quanto aos seus players, o ideal é consultar o manual dos mesmos em relação aos formatos e padrões compatíveis / aceitos e também quanto à limitações e / ou incompatibilidades gerais.

Para entender melhor o MP3 e não se escorar em mitos, falsos conceitos e ideias antiquadas, consulte outros documentos sobre este assunto em nosso site.

 

Um comentário para O formato ideal do MP3 para uso na atividade DJ

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Validação *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Link to my Facebook Page
Link to my Youtube Page