Dicas, cursos, tutoriais, artigos, análises e críticas relacionadas a todo universo DJ

Uncreative place

www.uncreativeplace.com.br

Um espaço com visual e conteúdo jovem

Após alguns anos escrevendo como colaboradora para alguns blogs, Bianca Caroline, uma jovem estudante apaixonada por livros, filmes, séries, músicas e várias outras artes, resolveu criar seu próprio espaço na grande rede e em Agosto de 2016 começou a disponibilizar artigos, análises, críticas e indicações de arte em geral.

Povos mais e povos menos sensatos

Artigo 3 da série: Insensatez

Como todos já sabem ninguém é 100% perfeito, muito menos sensato, coerente, o tempo todo. Todos temos momentos insensatos. O problema é que muitos, talvez a maioria, são insensatos quase que o tempo todo, e têm apenas alguns momentos de sensatez, bom senso. Somente alguns poucos são o oposto, ou seja, são quase que o tempo todo, sensatos – com apenas alguns momentos de insensatez.

Alguns países, povos, regiões são relativamente mais sensatos que outros. Em duas extremidades, poderíamos dizer que hoje, quanto a diversos pontos, países como o Japão por exemplo, são muito mais sensatos e consequentemente mais sábios em comparação com países como o Brasil.

Povos como os brasileiros deveriam ter aprendido e evoluído com os erros e acertos de povos relativamente mais antigos e evoluídos como os japoneses e alguns europeus. Se isso tivesse acontecido, seríamos hoje, senão a mais, uma das mais fortes nações devido a diversos outros fatores complementares, entre eles o tamanho de nosso país e a quantidade de riquezas naturais que possui.

A falta de bom senso, faz a maioria das pessoas de países como o Brasil se acharem espertos, inteligentes, quando na realidade são extremamente ingênuos.
Por ser uma grande potência, a maioria – especialmente os mais ingênuos – imagina que os Estados Unidos é um dos mais sensatos. Porém a coisa não é bem assim. Como pode ver em outros textos, a sensatez depende de diversos fatores e não somente sua riqueza, seu nível de escolaridade. Em média, certamente encontrará países europeus mais sensatos que nas três Américas.

Muitos devem estar se perguntando: qual o país ou povo mais sensato e qual o menos? A resposta para esta e muitas outras perguntas depende de estudos, portanto, somente um estudo sério, bem elaborado poderia realmente determinar, e com grande precisão, o nível de sensatez, maturidade e outros fatores de cada país.

Obviamente que no estudo seria considerada cada região, estado e cidade do país, pois dentro de um, há “grupos”, regiões, estados e cidades mais e outras menos sensatas. Até mesmo dentro de uma cidade há bairros mais e menos sensatos. Estas diferenças se devem especialmente a diferenças na educação, cultura e outros.
Qualquer um pode promover estudos básicos informais para entender o nível médio de insensatez ao seu redor, inclusive o seu próprio. Para isso, basta passar a observar de várias maneiras, por vários ângulos e níveis de profundidade, de forma mais atenta e detalhada possível, o comportamento, atos, ações e reações dentro de cada situação, cenário, e em todos lugares.

Através da análise por vários ângulos e níveis de profundidade do conteúdo de sites, blogs, canais do Youtube, especialmente os com conteúdos, temas mais vistos, e também obviamente dos respectivos comentários, se pode ter uma grande base do nível de sensatez, maturidade e outros da maioria. Quanto a si próprio, basta promover auto-observação e autoanálise. Mas para promover estes estudos e obter resultados satisfatórios, conclusivos, é necessário buscar ser observador, empático, lógico, racional, imparcial, entre outros, e claro, o mais sensato possível.

 

Curiosidade:

Ao longo de vários anos estudando “um pouco” de artes marciais em geral, percebi que pessoas que praticavam algum tipo de arte marcial, como o Kung-Fu, Karatê, Tae Kwon Do ou Judô, com mestres ou instrutores verdadeiramente sábios e bons, devido a diversos fatores, especialmente a filosofia da arte marcial em questão que estes passavam, se tornavam mais sensatas ao passo que atingiam níveis mentais maiores relacionados a arte praticada. Parte significativa da sensatez também era proveniente do autocontrole, autoconhecimento, disciplina e outras habilidades trabalhadas e desenvolvidas durante os treinamentos.

Infelizmente, é de fácil percepção que algumas destas artes marciais após se tornarem olímpicas, e consequentemente comerciais, perderam parte base essencial do treinamento mental, filosofia, e com isso, na quase totalidade dos casos deixou de gerar a sensatez que gerava.
Deixando claro que nem toda arte marcial contribui de forma nativa com a sensatez. Algumas, pelo contrário, desde o início tornavam seus praticantes ainda mais insensatos. Obviamente que tudo depende do instrutor / mestre, treinamento e da filosofia passada.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Validação *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Link to my Facebook Page
Link to my Youtube Page

Quanto aos anúncios

Ao clicar no anúncio, possivelmente sairá de nossa página. Se pretende permanecer no artigo / site deve clicar no anúncio com o botão direito do mouse e selecionar abrir em nova aba / guia ou janela.

 

Atenção

Não nos responsabilizamos pela qualidade dos produtos e serviços anunciados. Os anúncios são selecionados e divulgados automaticamente pelo mecanismo do Google Adsence de acordo com sua navegação e vários outros fatores / critérios. Não temos nenhuma ligação com os fornecedores / prestadores de serviços.